sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Odeio quem me tira a solidão sem me oferecer verdadeiramente compania.

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Tabacaria - Fernando Pessoa


Então, é meio assim que estou me sentindo hoje. Voltei do sul do mundo, do frio desafiador, pra Cidade Maravilhosa, cheia de expectativas. Foi bacana, muito papo regado a bons vinhos, comilança e filminho. Tá, muita gente vai dizer que é programa de tia velha, mas pessoas, aliviem!!

Retomando, cheguei hoje, cansadona, cheia de idéias e uma saudadezinha acumulada. Mesmo tendo avisado que voltaria hoje, o abençoado não deu sinal de vida. Tá bem, ele não é calendário, não é obrigado a lembrar desses detalhes. Óbviamente, não é apenas a minha vida que ferve em tempo integral. Achei melhor ajudar e mandar mensagem, pra saber como estavam as coisas por aqui. Respostinha seca, seguida de ligação igualmente seca. All right.

Quando finalmente encontro o abençoado, no final do dia, a mesma coisa. Tá, a gente tinha meio que se estressado antes de eu viajar, mas nada tanto assim. Aconteceu que conversamos como velhos amigos, com direito a beijo no rosto na despedida e tudo. Depois te ligo então. Tá!

Sim, eu estava borboleteando demais. Sempre de peito aberto, sem culpa. Agora, há pouco, uma DR por msn esclareceu tudo. Ele entendeu as minhas atitudes como um corte, e resolveu recolher acampamento. Agora sim tudo faz sentido!!

E agora?! O de sempre. Continuar de peito aberto, sem culpa.

2 comentários:

Ao Leite disse...

Tu nem deu sinal de vida, né?


Eu li o poeminha e lembrei de nós assistindo aquele filminhos, hehehe
Bjão, amiga.

Iza disse...

tava sem net até hoje, sorry... já vou atualizar... e te mandei msg, sim, mas tanto vc quanto o jhonny não responderam... te amo assim mesmo, viu?! bjin